Alexandre Moura recomenda este artigo sobre Conciliação de Cartões

Alexandre Moura recomenda este artigo sobre Conciliação de Cartões

Como já comentei em outros posts, a Comtex assumiu uma das franquias da Concilia Soluções, empresa responsável pela comercialização do sistema Conciliador em todo o Brasil. A conciliação de cartões, para quem ainda não conhece, é uma forma automatizada de auditar as vendas feitas com cartões de crédito, débito e benefícios. Quem trabalha no varejo sabe muito bem como é complicado checar se tudo que foi vendido no cartão entrou na conta da maneira correta. E, acreditem, erros e fraudes são mais frequentes do que vocês podem imaginar. Então, é por isso que recomendo a leitura deste artigo escrito por Marcos Tadeu Gomes, CEO da Concilia Soluções, para o site do Infovarejo:

Sistema de conciliação de cartão de crédito: não dá pra ficar sem

Neste artigo, Tadeu Gomes defende que o sistema de conciliação de cartão de crédito deve ser uma ferramenta permanente do controle financeiro da empresa. Mesmo após acabar com os primeiros sintomas da doença (no caso os prejuízos) é preciso continuar executando ações para assegurar que eles não voltem a incomodar a saúde da sua empresa. 

No artigo, Tadeu Gomes, compara a ferramenta de conciliação com um plano de saúde. É algo que você precisa manter o tempo todo para se prevenir de qualquer eventualidade.

É importante não confundir o termo Conciliação de Cartões com o termo Conciliação muito utilizado na área jurídica. A Conciliação jurídica é uma mediação realizada entre partes que disputam alguma questão. O objetivo é tentar um acordo entre as partes evitando a necessidade de se acionar a justiça que já anda para lá de sobrecarregada. Já a Conciliação de Cartões existe para facilitar a vida de lojistas, empresários e comerciantes que perdem muito de seu tempo produtivo para checar se estão recebendo tudo que deveriam. Com a ferramenta do Conciliador, o empresário poupa tempo, recupera prejuízos e pode se concentrar mais no seu core business, que é o que interessa.

Para Alexandre Moura, o Conciliador entrega muito mais que resultado.

Para Alexandre Moura, o Conciliador entrega muito mais que resultado.

Conciliador não só entrega resultado como também conquista a fidelidade de clientes. Resultados mensuráveis são garantidos graças a qualidade operacional do produto que visa, através da conferência automática de vendas com cartões, garantir a tranquilidade dos lojistas quanto a renda mensal de seus estabelecimentos. Mas, para a equipe que trabalha com o Conciliador, além de qualidade técnica é indispensável que fatores como segurança, otimização de tempo, confiança e claro, um atendimento personalizado, garantam aos clientes total confiabilidade e eficácia.

Para Alexandre Moura, diretor da Comtex, esses valores são os alicerces sobre os quais se conquista o respeito e a credibilidade junto ao consumidor. ” Para nossa empresa, o que mais importa é o compromisso com os nossos clientes. A qualidade do produto unida aos nossos valores transformam a experiência de venda em uma relação de confiança e fidelidade”, conclui o empresário.

Sistema Conciliador adere à franquias

Sistema Conciliador adere à franquias

O diretor da Comtex, Alexandre Amaral de Moura, é o primeiro franqueado do Sistema Conciliador, da Concilia. O software, desenvolvido através de uma parceria entre as duas empresas, tem como objetivo checar automaticamente as vendas feitas por cartões de crédito, débito e benefícios. Quem se tornar franqueado, estará encarregado de divulgar e promover as vendas mais próximas aos comerciantes locais. Tudo para facilitar a vida dos lojistas, literalmente.

O sistema gera relatórios diários, semanais e mensais de vendas e valores a receber.

O sistema gera relatórios diários, semanais e mensais de vendas e valores a receber.

A Comtex foi a responsável pelo desenvolvimento tecnológico do sistema. Agora, Alexandre Moura atuará no papel comercial do Sistema Conciliador. A expectativa é que com a franquia, o software seja mais acessível aos varejistas que desejam melhorar seus negócios ao conciliarem suas vendas de cartão de forma automática, segura e eficiente.

Pequenas Empresas e Grandes Negócios publica sobre o Conciliador

Pequenas Empresas e Grandes Negócios publica sobre o Conciliador

A revista online Pequenas Empresas e Grandes Negócios publicou uma matéria sobre o Conciliador, sistema desenvolvido pela Concilia em parceria com a Comtex. Leia a matéria aqui.

O software é indicado para qualquer empresa que opere com cartões de crédito, débito ou benefícios. Funciona como uma ferramenta de proteção do lojista, verificando automaticamente se o valor creditado pelas operadoras coincide com as vendas registradas no sistema de caixa.

Conciliador

Através do Conciliador, divergências e pendências são detectadas e apresentadas de forma detalhada e fácil, com otimização de tempo e de dinheiro.

O Conciliador também controla antecipações, pagamentos e verifica se as taxas cobradas estão corretas. Com a informação na mão, o lojista também consegue combater todo tipo de fraude no ponto de venda.

Lançado há quatro anos e com mais de 5 mil empresas atendidas em todo o Brasil, a tecnologia alcança um novo patamar. “O Conciliador foi testado e aprimorado na prática durante estes 4 anos. Com o Brasil em crise, esta é comprovadamente uma ferramenta eficaz para recuperar a margem de lucro dos lojistas”, afirma Alexandre Moura, diretor da Comtex.

A Concilia agora se prepara para ampliar o mercado abrindo o sistema de franquias do Conciliador. “Entendemos que este é o momento certo para abrir franquias do nosso sistema. É um negócio em que todos lucram: ganha o cliente, recuperando seu dinheiro, e ganha o franqueado com um negócio de baixo custo de implantação.” Explica Marcos Tadeu Gomes, diretor da Concilia.

Marte se tornará habitável graças ao avanços tecnológicos?

Marte se tornará habitável graças ao avanços tecnológicos?

É incrível ver como a tecnologia avançou a ponto do homem ter planos concretos para colonizar Marte, como também chegar até o Sol. Até alguns anos atrás, realizações desse tipo eram consideradas inviáveis, afinal, não tínhamos tantos dados e informações como hoje. Mas, como atualmente os avanços tecnológicos vem progredindo com tanta rapidez junto ao conhecimento do Homem, talvez seja possível realizarmos algumas das metas que carregamos ao logo da história e, inclusive, tornarmos nosso planeta vizinho a segunda casa da humanidade.

Ainda esse ano, cientistas descobriram a existência de um reservatório subterrâneo permanente de água líquida em Marte, o que, para especialistas, aumenta consideravelmente as chances de existência de vida no planeta vermelho. Então, por que não colonizarmos Marte agora? Infelizmente, essa não é uma missão tão simples para nós, seres humanos. É bom termos em mente que, apesar da tecnologia de ponta, das 54 missões feitas pela Nasa com o objetivo de chegar até Marte, apenas 23 foram bem sucedidas, visto que a trajetória até lá é complexa e o pouso é muito arriscado.

Você deve estar se perguntado: por que Marte? Bom, porque além de ser um dos planetas mais próximos a nós, Marte tem quase o mesmo tamanho da Terra. Além disso, é muito frio, mas nada que não possamos contornar, afinal de contas há lugares como Alasca e Sibéria, por exemplo, quase tão frios quanto nosso planeta vizinho. Sabendo sobre essas características de Marte, podemos definir o que deveria mudar para torná-lo humanamente habitável: a camada deveria ser mais grossa e substancialmente alterada, assim como a temperatura deveria aumentar bastante.

Alexandre Amaral de Moura- O homem poderá colonizar Marte no futuro?

Tornar Marte habitável para a nossa espécie é um desafio que demanda muito estudo, dinheiro, paciência e tempo.

Com isso, concluímos que as peças-chave para colonizarmos Marte no futuro são:

1) O aquecimento global controlado.

2) A presença de Bactérias.

Vou explicar passo a passo a função de cada um deles nesse processo: antes de tudo seria utilizada uma frota de satélites com espelhos que amplificassem a luz do sol e tornassem o planeta mais quente. Depois disso, com o aumento exponencial de temperatura, o gás carbônico das calotas polares começaria a derreter e chegaria na atmosfera. Por que isso é bom? Pois iria ajudar a reter o calor do Sol perto da superfície e aumentaria a pressão da atmosfera para favorecer a presença de água líquida.

Em seguida, micro-organismos como as cianobactérias seriam introduzidos em Marte, que ao se reproduzirem e se multiplicarem, devem tornar o ar do planeta vermelho mais respirável para os seres humanos. Falando dessa forma parece algo simples e relativamente rápido, mas não é. Tornar um planeta do sistema solar habitável para a nossa espécie é um desafio que demanda muito estudo, dinheiro, paciência e tempo. No entanto, o resultado disso a longo prazo será um marco que mudará o rumo da humanidade para sempre, já que os homens começarão uma nova história em um lugar naturalmente inabitável no meio do sistema solar. Tudo graças à tecnologia. 

O Ser Humano é corrompido pela inveja no mundo virtual, sabia?

O Ser Humano é corrompido pela inveja no mundo virtual, sabia?

Black Mirror é uma série que faz diversas críticas à tecnologia futurística, porém mais do que criticar a tecnologia, critica os valores do Ser Humano. A maioria dos episódios mostra como as pessoas lidam com os avanços tecnológicos e como estes afetam a moral e a ética da sociedade, muita das vezes, negativamente. Invasão de privacidade, viagens no tempo, interação com pessoas que já morreram, convívio com robôs e exposições desnecessárias na mídia são alguns dos temas abordados que nos fazem refletir sobre até que ponto somos dominados pelo avanço desenfreado da  tecnologia.

No universo da série, as inovações tecnológicas traçam o destino da humanidade, o que é assustador. Os indivíduos, cada vez mais, perdem a essência e transformam o que seria benefício em ferramentas prejudiciais, tanto aos outros quanto a si próprios. O foco, portanto, é sempre na corrupção do ser humano, não propriamente da tecnologia. Alguns dos episódios mostram que, para a maioria das pessoas, o que mais importa é a imagem passada através das redes sociais, mesmo que aquela ideia não corresponda à realidade, o que chamamos de exibicionismo virtual. Por mais que a série seja fictícia, ela representa algo que, de fato, acontece no mundo em que vivemos e, inclusive, desperta a atenção da ciência para estudos que buscam compreender e explicar esse padrão de comportamento.

 

 

De acordo com uma pesquisa feita no Reino Unido, 70% dos entrevistados já encerraram uma amizade virtual por terem se sentindo incomodados com aqueles que exibem constantemente a ”vida boa” que levam nas redes sociais, enquanto um estudo feito pela Universidade Humboldt, em Berlim, com 357 universitários, reforçou a questão de que as mídias sociais, realmente,despertam sentimentos negativos, principalmente a inveja. Quase 30% dos entrevistados relataram nutrir esse sentimento ao ver, no Facebook e no Instagram, posts que indicam o sucesso do outro, sendo que cerca de  20% afirmaram chatear-se por terem a própria ostentação ignorada pelos amigos.

Mas em defesa as redes sociais, é preciso enfatizar que com ou sem internet, 40% de nossas falas diárias é sobre nós mesmos e nossas opiniões. As pessoas querem mostrar ao mundo quem elas gostariam de ser. Mais que isso, querem ser aceitas socialmente. No entanto, é válido ressaltar que o ato de se gabar não surgiu com tecnologia, mas a internet, de fato, ampliou essa predisposição humana. Por que isso acontece? Porque o mundo virtual libera uma parte de nossa personalidade guiada apenas pelos desejos, sendo assim os limites e censuras que impomos para nós mesmos perdem a eficácia.

O segredo para vivermos bem é o equilíbrio. É preciso refletir quando formos postar algo: Quais são as minhas verdadeiras intenções com esse post? Quero mostrar para alguém específico como estou bem de vida? Desejo causar inveja nos meus amigos? Siga seus instintos e não tente parecer feliz quando não está. Não tente passar aos outros o que não é verdade, nem seja alguém que não é só para impressionar alguém. Do que adianta falar que está bem quando na verdade seu dia foi péssimo? Respeite sua integridade e seus sentimentos, a aprovação de ninguém vai te fazer sentir melhor, talvez apenas por uma breve momento, mas a sensação é passageira. Seja você sempre, e pra quem não gosta: a função de unfollow não foi criada à toa, é só clicar.